Mulheres empreendedoras: O caminho traçado no meio tecnológico e empresarial

Até 25 anos atrás, apenas dez mulheres haviam ganhado um prêmio Nobel em ciências, no meio de quase 500 homens.

Na computação, existe um caso da invenção do ENIAC, o primeiro computador, no qual cerca de 200 jovens mulheres trabalharam como “computadores humanos”, realizando cálculos de balística durante a Segunda Guerra. Dessas, apenas seis foram selecionadas para programar o computador que apagou seus nomes da história e tornou-se mais famoso do que aquelas que o projetaram.

As mulheres têm uma vantagem competitiva de facilidade de liderança, pois muitas delas são mães, têm de lidar com a família e ainda atuam com excelência na profissão. O diferencial para o negócio é que mulheres têm grande habilidade de lidar com inúmeras pessoas.

No meio empreendedor

Ligada a área de negócio, a empresária Camila Achutti, dona de startups com foco em inovação e com faturamentos milionários, disse a revista EXAME que o fato de não existir muitas mulheres no empreendedorismo faz com que deixamos de resolver problemas. Segundo ela, o mercado é estruturado para homens e as mulheres empreendem por necessidade e não por oportunidade, não focam em negócios digitais de alto impacto. É tirado dessas mulheres a possibilidade de envolver com tecnologia, não se mostra essa oportunidade.

De acordo com Achutti, uma das dificuldades como empreendedora é olhar em volta e não se reconhecer no entorno, nos eventos ser a única mulher e ver capas de revista só com homens.

Aliada a visão da empresária, ocorreu uma pesquisa, pela PUC-Rio, com 49 empreendedoras cariocas, os dados mostraram que os variados papéis que elas desempenham possuem relevância parecida. Os maiores índices de satisfação estavam vinculados ao trabalho e à relação com os filhos.

As empreendedoras tendem a ser escolarizadas, mais maduras em idade, casadas e com filhos. Os empreendimentos são, majoritariamente, no setor de serviços e tendem a ser microempresas.

A barreira a ser quebrada

Ademais, a quebra do estereótipo e preconceito envolvendo donas de negócios próprios é um processo em andamento. Além disso, os múltiplos papéis desempenhados é ora associado ao bem estar e realização ora ao sentimento de frustração.

Uma observação interessante é o modelo que mulheres empreendedoras desempenham a outras, estimulando a criação de amplas redes de mulheres profissionais.

Desse modo, os benefícios sociais de empreendedoras mulheres são múltiplos, tem potencial de promover amplas transformações sociais, econômicas e culturais.

Ana GonçalvesConsultora de Tecnologia