Patentes e seu projeto

A importância de um protótipo para patentear um projeto de eletrônica

Você já teve uma ideia inédita para um projeto de eletrônica? Você já pensou em patenteá-la? Neste texto, mostramos o quão importante é fazer um protótipo para conseguir sua patente.

O que é uma Patente?

A patente é uma concessão dada pelo Estado a uma pessoa: física ou jurídica. De exclusividade comercial sobre uma ideia inédita, inovadora e com aplicação prática. Para se fazer o pedido de depósito da patente junto ao INPI, o Instituto Nacional de Propriedade Industrial, é necessário submeter um relatório explicando minuciosamente a sua ideia, contemplando o seu funcionamento e a sua composição.


A importância desse registro é garantir seu direito sobre sua propriedade intelectual. De maneira a impedir que terceiros usufruam dela para benefício próprio. Além disso, uma vez que a patente for divulgada, ela contribui para o compartilhamento de conhecimento, o que traz insumo para novas pesquisas e projetos.

Carimbo de Patente

Por que desenvolver um protótipo?

De acordo com o INPI, não é necessário que seja submetido um protótipo junto ao relatório. Dito isto, você pode ter a seguinte dúvida: “Então por que devo investir em um protótipo aumentando meus gastos e o tempo investido no patenteamento de minha solução? Por que não apresentá-la apenas como um relatório?”

Se você já tiver pesquisado sobre como o processo é, saberá que o pedido de depósito é extremamente burocrático. Ele depende de um considerável investimento financeiro. Além disso, seu projeto deve ser descrito com o máximo de detalhes quanto ao funcionamento e às especificidades técnicas. Esses fatores evidenciam o quão importante é validar suas idéias antes de dar entrada ao registro. O objetivo é minimizar as chances de seu processo ser indeferido.

Um projeto de eletrônica apresenta muitos desafios técnicos e logísticos, que são evidenciados durante as fases de execução e teste. Caso a prototipagem seja feita após o pedido de depósito da patente e, somente depois, a necessidade de alterar certas especificações do escopo seja descoberta – como as dimensões da carcaça ou os materiais utilizados -, é possível que seu pedido seja recusado. Isto ocorrerá se as alterações interferirem na aplicabilidade de seu projeto prevista no pedido.

O protótipo como um MVP

O protótipo, neste caso, atua como um MVP (do inglês, produto mínimo viável). Um MVP é utilizado, normalmente, para testar a viabilidade de um modelo de negócio com o mínimo investimento viável. Esse ideal segue a premissa do “falhe rápido para falhar melhor”, que é a mesma que você deve seguir se estiver interessado na patente. A prototipagem de seu projeto de eletrônica é de suma importância, pois será feita para testar e melhorar a aplicação de sua solução. Desse modo, sua patente será a mais precisa possível quanto à inovação que ela apresenta.

É importante ressaltar que quanto mais objetiva e melhor definida está sua idéia, maior é a probabilidade de ter seu pedido deferido. O protótipo de seu projeto de eletrônica é importantíssimo. Ele mostra, de forma concreta, a aplicabilidade e a inovação apresentadas – fatores imprescindíveis para a obtenção de uma patente. O não cumprimento desses requisitos, que acontecerá sem a submissão de um protótipo, possibilita a obtenção de uma patente fraca. Ela consiste de uma patente inicialmente deferida, mas que é alvo de nulidade por terceiros ou pelo próprio INPI.

Quer aprender mais sobre eletrônica, saber mais sobre patentes, ou achar a melhor forma de patentear sua ideia? Fale com a gente! Estamos dispostos a ajudar.

Ah, e não se esqueça: cadastre-se em nossa newsletter no canto direito da página!

2018-05-31T08:10:18+00:00 terça-feira, 08/05/2018|Eletrônica|