Energia ética: Entenda o que muda

Não se pode criar energia, apenas transformá-la. Essa é uma das leis mais básicas da ciência, uma lei imutável em todo o universo. Mas parece um tanto estranho pensar que a energia no planeta Terra permanece a mesma desde sua formação. Afinal, a humanidade aumenta seu consumo energético todos os anos. E quando falo de energia, não estou me referindo a apenas a elétrica. Desde o gás do seu fogão, até às 2000 Kcal diárias de sua dieta, tudo isso é energia sendo constantemente transformada. “Ok, mas se a energia da Terra é finita, porque ela ainda não acabou se existem quase 8 bilhões de pessoas no mundo?”. Ela pode não ter chegado ao seu limite ainda, mas estamos caminhando a passos largos para um cenário insustentável. 

A humanidade vem tentando achar a fonte ideal de energia há tempos. Primeiro, nós tentamos usar termelétricas, que dependem de carvão mineral. Mas carvão mineral tem quantidade limitada, e essas usinas geram toneladas de gases do efeito estufa. Depois vieram as hidrelétricas. Essa parece ser uma boa opção, não é mesmo? Afinal só depende da água e não gera gases estufa. Bom, quem dera se fosse só isso. Hidrelétricas, para serem construídas, alagam grandes porções de terra, gerando danos históricos, humanos e ambientais. Aí chegaram as termonucleares. O impacto dessas usinas pode ser resumido em duas palavras: Chernobyl e Fukushima. Agora vêm o maior problema: a maior parte da energia que usamos vem direta ou indiretamente desses três tipos de usinas.

Então, o que precisamos fazer?

A humanidade não pode parar de se desenvolver, mas ao mesmo tempo não podemos continuar desse jeito. Mas e se eu te disser que existe uma solução? O nome dessa solução é energia ética. Essa nomenclatura pode parecer um tanto estranha e desconhecida, mas tenho certeza que você já está, de certa forma, familiarizado ao conceito. Energia ética é uma ideia ampla, que envolve diversos aspectos, dentre eles usar fontes de energia que gerem o menor impacto ambiental, social e econômico possível. Estou falando fontes como solar, eólica, biomassa até mesmo das marés. 

A energia proveniente desses recursos pode parecer cara e muito distante. Entretanto, é exatamente o oposto. O avanço tecnológico está fazendo com que essas fontes renováveis se tornem cada vez mais baratas se comparadas às usinas tradicionais. Além disso, o impacto ambiental causado é extremamente baixo, pra não dizer zero.  Em todo mundo, nota-se uma tendência ao uso de energia limpa devido a esses fatores. No Brasil, por exemplo, o uso de energia solar nas residências vem aumentando significativamente, já que a energia tradicional está cada vez mais cara. 

Como podemos fazer?

O cenário é preocupante, mas como eu mostrei, existe esperança. Mas tudo isso depende de cada indivíduo. Porque energia ética, como já disse, é um conceito amplo, envolvendo muito mais do que apenas o uso de fontes limpas. O consumidor também é parte importante do processo. A energia ética é gerada para ser usada na produção de materiais e produtos não poluentes, de alta durabilidade, reaproveitáveis e para serem usados por quem precisa de forma racional. Quando compramos eletrônicos, lâmpadas e carros mais econômicos, não estamos apenas ajudando nosso bolso. Estamos, ainda que indiretamente, contribuindo para um mundo mais sustentável. Mas isso ainda é pouco, nós precisamos nos tornar cada vez mais exigentes e conscientes. Não desperdiçar energia é só o primeiro passo, mas a partir do momento que estamos a par disso tudo, podemos levar essa ideia até outras pessoas, de forma que todos estejam conscientizados. 

A quantidade de energia na Terra é constante, e já que a humanidade já se beneficiou tanto dela, talvez seja a hora de usarmos nossa própria energia para restaurar a do planeta.

Uiseman AraújoConsultor de Tecnologia