O que é a Tarifa Branca e qual o impacto que ela pode exercer na conta de luz.

Você sabe o que é a Tarifa Branca? Explicamos aqui como esse novo modelo tarifário funcionará em 2018, e qual o impacto que ele poderá ter no consumidor.

A Tarifa Branca é uma nova opção de modelo tarifário oferecida para o pequeno consumidor de energia. Criada pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), ela entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2018. Com a tarifa branca, o consumidor tem a opção de pagar valores diferentes, dependendo da hora e do dia do consumo.

energia-economia

Como funciona e o que é um modelo tarifário?

Primeiramente, todos os consumidores são divididos em grupos, A e B. O grupo A representa consumidores de alta tensão (indústrias e supermercados, por exemplo). Enquanto o grupo B são os consumidores de baixa tensão (residências comuns, mercadinhos e marcenarias, por exemplo).

A modalidade tarifária diz o quanto o consumidor paga pela quantidade de energia que usa, baseado nas demandas de potência ativas. Ela é a tabela de preço que determina o valor da sua conta de luz ao final do mês. Atualmente, o modelo Convencional Monômio é o utilizado para medir o consumo de baixa tensão.

Tarifa Branca: o que é?

A Tarifa Branca é uma nova opção de tarifa que sinaliza aos consumidores a variação do valor da energia conforme o dia e o horário do consumo. Com a Tarifa Branca, o consumo de energia terá preços variados durante o dia. De certa forma, a tarifa é a formalização da ideia de “lavar e passar roupa fora do horário de pico”, atividade que muitas pessoas já fazem para economizar energia.

Nesse modelo, esses períodos serão detalhados nas contas de luz, e serão devidamente estipulados pelas distribuidoras de energia. Vale lembrar que ela só é ofertada para consumidores do grupo B, mas sem contar com iluminação pública e consumidores de baixa renda.

Como ela vai funcionar?

A ideia da Tarifa Branca é que o consumidor “gaste” mais energia fora dos horários de pico. Então fora desses horários, o valor do kWh (unidade de medida utilizada para consumo) será menor, enquanto nos horários de pico e horários intermediários, o valor será o mesmo.

Durante os dias úteis, os horários são divididos em três grupos. Entre os horários das 19 às 21horas, é o horário de pico, quando a tarifa será mais cara. O horário que será o foco da tarifa está compreendido entre 13 e 18 horas, chamado horário de ponta e a tarifa será mais barata. Por último, nos horários das 18 às 19 horas e das 21 às 23, terá um valor intermediário, entre os dois extremos da tarifa.

Qual a influência disso na conta de luz?

No geral, quem concentra o uso da energia fora dos horários de pico será muito beneficiado pelo novo modelo. Então, para pequenos comércios e indústrias que trabalham com baixa tensão, é uma excelente oportunidade.

Antes de tudo, conheça o seu perfil de consumo e as diferenças entre a tarifa branca e a convencional, que pode variar segundo a distribuidora. Ou seja, quanto maior for o foco no gasto de energia dentro dos horários de ponta, e quanto maior for a diferença entre as tarifas, maior será o benefício para consumidor.

Então, caso o consumo seja muito grande nos horários de pico e não houver possibilidade de transferir os gastos para outros horários, optar pela tarifa branca não é uma boa opção.

E atenção!

 Caso opte por aderir à Tarifa Branca, a distribuidora da sua cidade fornecerá gratuitamente um novo modelo de relógio de luz. A ANEEL determina as variações nas tarifas para cada cidade, então cheque com a sua distribuidora.

A Tarifa Branca irá entrar em vigor em 1º de janeiro de 2018. Porém, a nova opção só estará disponível para unidades que consomem mais de 500 kWh/mês nesse ano. Em 2019, será liberada para unidades que consomem a partir de 250 kWh/mês e, em 2020, será liberada para as demais unidades consumidoras.

Não mude por impulso para a nova tarifa, analise seu perfil e saiba se vale a pena para você . Formalize o pedido com a sua distribuidora de energia. Além disso, a adesão à nova medida é facultativa e o consumidor pode voltar à tarifa antiga, se não ver vantagens no sistema.

Essa foi a nossa análise sobre a Tarifa Branca, entre em contato conosco e descubra o seu perfil.

Autor: Ian Cidade, Consultor de Tecnologia